08/04/2019

MAIS QUE MEL

Segundo levantamento da Agência Pública, nos três primeiros meses de 2019, meio bilhão de abelhas foram encontradas mortas no Brasil. 

Foto de minha autoria
Olá, pessoa amiga!

Eu poderia ser a pessoa mais odiosa as abelhas, por ser alérgica, mas ao invés disso, trago a minha profunda preocupação com o que está acontecendo, no que diz respeito a estes seres tão pequenos mas gigantes em qualidades. 

Essa não é uma situação isolada, está acontecendo em várias partes do mundo, o mesmo cenário se repete, bilhões de abelhas estão desaparecendo. Essa redução tem um enorme impacto na natureza, pois mais de 70% das espécies de plantas do planeta precisam de polinização. Sem abelhas, frutas e vegetais vão desaparecer da Terra. E os principais culpados por estes números absurdos de mortes, são os pesticidas.

Os principais responsáveis pelo enfraquecendo do sistema imunológico das abelhas, são os agentes presentes nos agrotóxicos e o uso indiscriminado de pesticidas e fungicidas na produção agrícola, além de exterminar com as pragas, se termina também com as polinizadoras, o gatilho para a Colony Collapse Disorder (CCD) ou Desordem do Colapso das Colônias.

Chegamos ao ponto importante, onde é preciso refletir! A maioria dos agrotóxicos banidos na Europa e nos Estados Unidos há muito tempo. Em nosso país são liberados, e utilizados cada vez mais de forma indiscriminada, sendo autorizados pelo governo. O que além de acarretar na morde de bilhões de abelhas, também está contaminando o nosso alimento. Se nada for feito para impedir o uso abusivo de agrotóxicos, pólen continuará sendo contaminado e estaremos fadados ao colapso total.

Para contribuir com a reflexão, deixo aqui a sugestão de um documentário!

"Einstein uma vez disse: sem abelhas, a humanidade viveria no máximo 4 anos."

Esse é trailer do documentário More than Honey ou Mais que Mel (que pode ser encontrado ou locado no Youtube), lançado em 2012 e dirigido por Markus Imhoof. O longa trata da relação entre abelhas e seres humanos, e já apresentava números alarmantes sobre a mortes de abelhas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário